Localização:
Praça 1º de Maio, 110

Casa da Criança

Autores: arq. João B. Vilanova Artigas e arq. Carlos Cascaldi
Execução: engº. Rubens Cascaldi
Data: 1955

 

Originalmente, o edifício sede da Secretaria Municipal de Cultura abrigava a “Casa da Criança”, tendo sido a primeira creche de Londrina e o primeiro projeto consistente na área social.

O projeto seguiu os critérios de formulações racionalistas, bem próximas das soluções européias da época, inspiradas pelo arquiteto suíço radicado na França, Le Corbusier. O volume do edifício é construído por dois blocos em forma de L, sendo que um possui dois e o outro três pavimentos, respectivamente. Nesta obra, assim como no Teatro Ouro Verde e no Edifício Autolon, o edifício é invadido pelo espaço urbano através de superfícies envidraçadas e transparentes, e o invadem com seus corpos que se lançam sobre as calçadas. Não obstante, é uma relação delicada, onde predomina a sutileza sobre a agressividade das formas. O elemento de circulação mais marcante é a rampa, que forma um volume anexo ao corpo do edifício e garante continuidade e fluidez espacial entre os diferentes níveis.

Registros históricos contam que os londrinenses tinham muito orgulho do prédio e do trabalho que ali se realizava. Desde a década de 60, quando tornou-se sede da Secretaria Municipal da Cultura, o local tornou-se cenário propício para a efervecência dos movimentos culturais da cidade juntamente com a Concha Acústica, localizada logo em frente ao prédio.

Atualmente, o imóvel está fechado por conta de um sofrido processo de reforma que iniciou-se em 2011. As obras no prédio começaram a ser executadas, mas foram paralisadas porque a empresa ganhadora da licitação não tinha competência técnica, já que era necessário o serviço de restauro para preservar as características históricas do imóvel. Outro possível problema enfrentado é o baixo valor oferecido pela Prefeitura para execução da reforma, o que desestimula as empresas a participarem da licitação. Soluções estão sendo estudadas para contornar a situação, mas ações efetivas certamente serão tomadas apenas em 2013, após as eleições deste ano. Enquanto isso, para impedir que o prédio projetado por Villanova Artigas e Carlos Cascaldi seja alvo de vândalos, a prefeitura mantem segurança 24 horas no local.

Vamos ficar de olho neste processo e aguardar boas notícias!

Fonte:

ABRAMO, Maria A.; MUSILLI, Célia. Londrina puxa o fio da memória. Joinville: Letradágua, 2004.

CASTELNOU, Antonio. Arquitetura Londrinense: expressões de intenção pioneira. Londrina: Atrito Art, 2002.

SUZUKI, Juliana. Artigas e Cascaldi – Arquitetura em Londrina. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

londrina.odiario.com/londrina/noticia/594574/em-meio-a-eleicoes-e-sem-recursos-restauro-do-predio-da-secretaria-de-cultura-de-londrina-fica-para-2013. Acessado em 17/08/2012.