Localização:
Rua Minas Gerais, 194

Edifício Autolon

Autores: arq. João B. Vilanova Artigas e arq. Carlos Cascaldi
Execução: engº. Rubens Cascaldi
Data: 1950

O Autolon vem a ser o segundo prédio construído no início do “boom” da verticalização de Londrina, cujo projeto somente foi possível com o auxilio da SAL – Sociedade Amigos de Londrina, dirigida por Jordão Santoro. Juntamente com o Cine Ouro Verde, foi a principal obra privada projetada por Artigas e Cascaldi em Londrina. O projeto foi originalmente concebido para sediar uma concessionária de veículos Chevrolet no pavimento térreo e uma torre de escritórios nos pavimentos superiores.

O térreo, com pé direito duplo, consiste em uma ampla área envidraçada, que permite a visualização completa do interior a partir do lado externo. É possível ver as colunas em V revestidas de pastilhas – um recurso utilizado extensivamente pelos arquitetos nas obras londrinenses, particularmente na antiga Estação Rodoviária. Atualmente, este mesmo pavimento térreo abriga uma loja de roupas e, apesar de conservar a fachada envidraçada, o uso de película adesiva escura em alguns vidros e o próprio mobiliário da vitrine obstruem a visualização do interior.

Para acessar a torre onde encontram-se as salas comerciais, foi projetada uma escadaria cuja projeção avança sobre o passeio público, criando uma sutil área de transição entre os espaços público e privado. A escadaria do acesso principal estende-se pelo plano da fachada, chegando ao passeio e transformando-se em sua continuidade, assim como o acesso do Teatro Ouro Verde.

As fachadas recebem tratamentos distintos, conforme sua orientação em relação ao sol. Voltada para a Rua Minas Gerais, orientada para o Leste e, portanto, recebendo principalmente o sol da manhã, a fachada principal é completamente envidraçada, sendo os pavimentos separados por molduras horizontais revestidas de pastilhas. Voltada para o Ouro Verde, a fachada Oeste tem suas esquadrias de vidro protegidas por brises-soleils horizontais móveis, uma espécie de persiana com lâminas grandes, instaladas no lado externo, que controla a incidência da radiação solar no interior do edifício.

Apesar de, infelizmente, não ter sido tombado em conjunto com o Teatro Ouro Verde, o Autolon é uma das mais importantes construções modernistas na cidade, cuja validade de preservação é inquestionável.

 

Fonte:

CASTELNOU, Antonio. Arquitetura londrinense: expressões de intenção pioneira. Londrina: Atrito Art, 2002.

SUZUKI, Juliana. Artigas e Cascaldi – Arquitetura em Londrina. São Paulo: Ateliê, 2003.